Cirurgia bariátrica reduz o risco de câncer?

risco de câncer

A obesidade sempre foi considerada um fator de risco de câncer. Inclusive, estudos mais recentes comprovam e atestam essa possibilidade. 

Vários estudos foram publicados nos últimos anos mostrando que a cirurgia bariátrica tem se mostrado uma potencial aliada na redução do risco de morte por câncer em quase 35%.  

Já com relação ao surgimento do quadro, a obesidade pode ser causada por muitos aspectos, entre os quais:

  • Genéticos;
  • Psicológicos;
  • Sociais;
  • Metabólicos.

Além disso, também pode estar relacionada a estilos de vida pouco saudáveis, estresse e atividade física reduzida.

Em todo caso, a cirurgia bariátrica vem como uma alternativa para sair dessas estatísticas negativas.

Vamos explicar de que forma a perda de peso protege contra o câncer e outros detalhes sobre o assunto nos materiais a seguir, acompanhe. 

Qual é o impacto da obesidade na saúde?

A obesidade é um dos principais problemas de saúde pública do mundo, conforme indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Essa é uma doença que pode causar muitos outros problemas relacionados ao organismo se não for tratada.

Inclusive, para se ter uma ideia, a OMS prevê que aproximadamente 2,3 bilhões de adultos estarão acima do peso até 2025. Mais ainda, estima-se que até 700 milhões serão obesos.

Tendo em vista esse alto índice e o impacto para o funcionamento de outros sistemas, detalharemos quais impactos pessoas com essa condição, sejam prestadores de serviços de corte a laser ou auxiliares administrativos, podem ter na saúde, acompanhe.

Doenças ósseas e musculares

Problemas na estrutura óssea, articular e muscular são bastante comuns e podem ocorrer de várias formas devido à sobrecarga típica da obesidade.

As articulações do joelho, tornozelo e quadril geralmente correm muito risco, assim como a coluna. Síndrome do túnel do carpo e gota também podem ocorrer.

Diabetes

O ganho de peso ocorre principalmente devido ao desequilíbrio entre a ingestão e o gasto calórico. 

Isso porque a energia não utilizada nas atividades junto a empresa de licenciamento ambiental é armazenada na forma de gordura.

O excesso de tecido adiposo impede a ação da insulina, hormônio cuja principal função é regular o açúcar no sangue.

O diabetes tipo 2 têm maior probabilidade de se desenvolver com resistência à insulina.

Assim, essa doença é outra consequência grave da obesidade, que reduz a qualidade de vida do indivíduo e pode levar a diversas complicações, como problemas de visão e demora na cicatrização de feridas. 

Portanto, exames periódicos e acompanhamento médico são atitudes necessárias para evitar complicações, promovendo mais qualidade de vida ao realizar manutenção de caldeiras industriais ou mesmo aproveitar momentos em família.

Afinal, somente o profissional poderá instruir quanto às melhores práticas para controle e prevenção.

Hipertensão

A hipertensão é uma doença cardiovascular causada pelo excesso de pressão arterial. Isso acontece quando a tensão na circulação sanguínea aumenta significativamente, o que pode danificar as paredes das veias e artérias.

Um IMC alto também está associado a altos níveis de triglicerídeos e colesterol LDL (conhecido como “mau colesterol”).

Esse aumento de lipídios no sangue pode prejudicar sua circulação e causar hipertensão. 

Portanto, pessoas obesas são mais propensas a desenvolver essa complicação do que pessoas com IMC normal.

Como a hipertensão afeta cerca de 25% da população adulta no Brasil, ela deve ser adequadamente tratada e monitorada.

Além disso, a perda de peso é um dos fatores que ajudam a melhorar a condição – e toda a vida do indivíduo, seja no trabalho na empresa de instalações elétricas ou nas horas de lazer.

Doenças hepáticas

Outra das principais preocupações relacionadas à obesidade é a esteatose hepática: o armazenamento de gordura no fígado.

Isso prejudica a função do órgão e pode levar à cirrose ou câncer, que exigem procedimentos mais invasivos, como um transplante de órgão.

Refluxo gastroesofágico

O esfíncter conecta o esôfago ao estômago e, quando perde sua eficácia – o que pode acontecer em pessoas obesas – o ácido estomacal volta pela válvula, causando refluxo gastroesofágico. 

Esse problema causa muita irritação nas paredes dos órgãos, dor no peito e regurgitação e, se ignorado, pode levar ao câncer de esôfago.

Como a cirurgia bariátrica beneficia o paciente?

Há caminhos para evitar essas complicações e até mesmo quadros mais graves, como cânceres.

De acordo com um estudo publicado no The New England Journal, a cirurgia para perda de peso pode reduzir os cânceres diretamente relacionados à obesidade pela metade e até mesmo por um terço em sete anos. 

Assim, em todo caso, a cirurgia bariátrica se revela uma alternativa muito benéfica para combater o câncer e outras complicações resultantes da obesidade.

A relação entre câncer e obesidade

Um estudo recente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo prevê que em 2025 haverá 29.000 novos casos de câncer relacionados à obesidade.

Já segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os tumores mais comuns são os de mama, rim, fígado, próstata, bexiga, cólon, esôfago e endométrio.

Por conta disso, na prática, existem 8 processos biológicos que podem esclarecer as relações entre câncer e obesidade.

Inflamação crônica do corpo, distúrbios na regulação da morte celular, aumento da secreção de substâncias pró-inflamatórias, excesso de gordura abdominal, dilatação dos vasos sanguíneos, aumento da secreção de insulina, mudanças na microbiota intestinal e aumento dos níveis de hormônios sexuais são alguns exemplos.

Não é totalmente certo que pessoas obesas desenvolvem tumores. 

Contudo, a obesidade pode ser classificada como fator de risco, pois o paciente fica mais vulnerável às consequências da obesidade. 

Além disso, maus hábitos alimentares no decorrer da vida, seja em empresa administração de condomínios em São Paulo ou junto ao escritório de advocacia, também contribuem para o problema.

Nesse contexto, a cirurgia bariátrica se mostra uma excelente opção para a perda de peso contínua e de longo prazo.

Além de controlar o estado inflamatório do corpo devido à obesidade, o procedimento de bypass gástrico regula o eixo endócrino dos hormônios sexuais.

O nível de insulina no sangue é normalizado e a passagem do trato digestivo é regulada. Todos esses fatores reduzem o potencial oncogênico da obesidade.

Outras vantagens da perda de peso

A eliminação de peso excessivo não é saudável apenas desse ponto de vista. Ela produz outros tantos benefícios muito bem-vindos; conheça-os agora.

Alívio do estresse e pele mais saudável

O combo exercícios e nutrição adequada reduzem a ansiedade, garantem um sono mais tranquilo e, assim, aliviam o estresse na construtora industrial.

Você pode ter iniciado sua rotina de saúde com a única intenção de perder peso, mas as recompensas também o deixarão com uma pele brilhante.

Você pode atribuir seu novo visual a uma dieta mais saudável, mas também é provável que o suor também tenha eliminado os detritos para fora de seus poros e promovido uma melhor desintoxicação. 

Bom humor

Pensando em perder peso, o ideal é recorrer à prática de exercícios físicos. 

Embora a atividade ajude a queimar calorias, ela também estimula a liberação de endorfinas, uma substância que reduz a percepção da dor e ajuda a encarar a vida de maneira mais positiva. 

Isso melhora naturalmente o humor e reduz o estresse ao enfrentar problemas. A conta é simples: menos ansiedade e estresse equivale a mais bom humor na reforma de residência.

Economia de dinheiro

Quando você começa a reeducar sua dieta, naturalmente gastará menos dinheiro em alimentos porque gastará com mais sabedoria e começará a cozinhar mais em casa (evitando, assim, restaurantes e fast food). 

Outro ponto positivo é a redução de despesas médicas, pois uma alimentação mais saudável e exercícios físicos também aumentam a imunidade.

3 dicas para diminuir o risco de complicações da obesidade

Apesar de termos focado na cirurgia bariátrica, visto o impacto direto e mais ágil que tem para a perda de peso e redução dos riscos de câncer, ela não é a única forma de se prevenir contra as complicações da saúde.

Assim, há outras práticas importantes para você cuidar da saúde, veja.

Consulte um médico

Se você perceber que está acima do peso, é importante consultar um médico para que ele solicite exames especiais para identificar problemas de saúde. 

Além disso, apenas um especialista pode medir corretamente seu índice de massa corporal e mostrar que você está na zona de risco.

Com o resultado do exame em mãos, é possível entender qual caminho seguir para diminuir o IMC.

Vá ao nutricionista

O apoio do nutricionista é necessário para o sucesso de uma nova dieta. Somente este especialista pode analisar seu histórico de saúde e prescrever os melhores alimentos para você.

Além disso, o especialista pode avaliar suas necessidades nutricionais com base em exames de sangue.

Em outras palavras, ele controla a falta de vitaminas e outros nutrientes que uma pessoa precisa consumir regularmente para obter mais qualidade de vida e controlar possíveis riscos.

Beba mais água

O aumento do consumo de água promove a hidratação do corpo, o que ajuda direta e indiretamente na redução do IMC.

Ou seja, o hábito controla a sensação de saciedade, facilita a eliminação de toxinas do organismo e auxilia o processo digestivo.

Além disso, beber água melhora a concentração. Então, você vai poder cumprir seus compromissos do orçamento eletricista com mais qualidade e em menos tempo.

Conclusão

A cirurgia bariátrica não é a única alternativa – mas é, com certeza, a mais positiva para combater a obesidade e os riscos para a saúde que essa condição amplia.

Por isso, avalie as informações, procure um profissional e avalie sua saúde e as possibilidades para controle de problemas, mudanças de hábitos e até para a realização de procedimentos para melhorar a qualidade de vida!

Texto originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, canal em que você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Saiba mais:

Gostou desse artigo?