Remoção médica para dependente químico

Curitiba, 13 de fevereiro de 2021, escrito por Gilson Rodrigues. A remoção médica para dependente químico são aplicadas principalmente quando o dependente não aceita tratamento voluntariamente. É importante entender, no entanto, que nunca é aplicado para seu mal, mas sim para seu bem. Depois que o paciente está dentro da clínica, é trabalho da equipe multidisciplinar desenvolver o seu trabalho, buscando conscientizar o paciente a aceitar o tratamento e o internamento se torne voluntário.

Em grande parte dos casos, o dependente químico não consegue tomar suas próprias decisões e, dessa forma, é necessário que os familiares ou responsáveis decidam por ele.

As remoções dão início ao tratamento, através de uma equipe de profissionais devidamente treinados e preparados para a situação. É necessário entender os riscos que podem ocorrer durante o resgate de um dependente químico, desde reações agressivas até necessidade de imobilização, condições que os responsáveis pela remoção evitam ao máximo, evitando colocar a vida do paciente ou sua integridade física em riscos.

Em razão disso, ao solicitar uma empresa de resgate de dependente químico, é preciso fazer a melhor escolha, já que existem empresas que chegam ao cúmulo de sedar o paciente para fazer o procedimento.

Uma empresa de remoção médica para dependente químico só pode atuar a partir do momento em que seus serviços são solicitados. O resgate de um dependente para internação involuntária ou compulsória só pode ser solicitado por familiares próximos.

Além disso, a internação, quando realizada de forma involuntária ou compulsória, deve ser comunicada ao Ministério Público para que a situação do paciente não seja caracterizada como crime de cárcere privado. Na internação compulsória, além do laudo médico determinando que seja necessária, o resgate só pode ser feito depois da autorização de um juiz.

Precisando de uma ambulância?

WhatsApp

O que é a dependência química?

A dependência química é considerada uma doença crônica, caracterizada principalmente pela falta de controle no consumo de substâncias psicoativas. As drogas, com seus princípios ativos, agem diretamente sobre o sistema nervoso central, causando reações físicas e psíquicas, podendo conduzir o dependente a estados deploráveis de saúde física e mental.

Ao mesmo tempo em que apresenta seus efeitos, o cérebro do usuário vai, aos poucos, exigindo que ele consuma a substância a que está acostumado para manter os efeitos.

A dependência química, dessa forma, leva o usuário a consumir de forma excessiva, fazendo uso compulsivo da substância psicoativa, criando uma necessidade para o usuário e uma ligação doentia com a droga que está usando. Torna-se, dessa forma, uma enfermidade que vai exigir tratamento e, consequentemente, as remoção médica, uma vez que o próprio dependente químico não é capaz de tomar qualquer decisão.

O diagnóstico da dependência química é feito através da observação dos sintomas apresentados pelo usuário, como, por exemplo, a necessidade de consumir cada vez maior quantidade da substância para se conseguir os efeitos experimentados anteriormente.

O dependente químico vai também apresentar sintomas de irritação e ansiedade, tremores no corpo, insônia e perda da percepção da realidade, voltando-se inteiramente para o consumo das substâncias psicoativas.

Quando tenta se abster das drogas, é levado ao caminho contrário, consumindo cada vez mais e por mais tempo do que poderia planejar. Ao mesmo tempo em que procura interromper o consumo, quando se dá conta dos prejuízos causados pelas drogas, acaba se sentindo frustrado por não conseguir dominar a situação.

Com o desenvolvimento da dependência química, o usuário começa a deixar de lado suas atividades, afasta-se dos amigos e dos familiares e passa a viver uma vida marginal, muitas vezes voltada para a criminalidade, na busca de maiores quantidades da substância. Nesses casos, é necessário aplicar as remoções para conduzi-lo a um tratamento adequado.

A psiquiatria considera a dependência química como um transtorno mental, um estado de consciência alterado que impede o julgamento por parte do usuário e da percepção da realidade em que está vivendo, prejudicando, ao mesmo tempo, os seus familiares e amigos.

Estamos online para te ajudar! Fale com nosso especialista:

Veja nossas avaliações

Diana Vilarinho
Diana Vilarinho
18. Julho, 2022.
Verificada
Excelente, prestativos, atenciosos , tratamento muito bom. Nota 10. Utilizei o serviço de remoção para consulta. Muito bom.
Maria L Diniz
Maria L Diniz
16. Julho, 2022.
Verificada
Um excelente atendimento! 🙏💜
Daiane Rosolen
Daiane Rosolen
8. Julho, 2022.
Verificada
Atendimento top! Sr. Gilson muito prestativo e super atencioso no atendimento telefônico. Eu agradeço pela gentileza. Coisa rara hoje em dia.
Carolina Luhm Crivellaro
Carolina Luhm Crivellaro
4. Julho, 2022.
Verificada
Excelente atendimento pela equipe.
Ozana Storck
Ozana Storck
21. Junho, 2022.
Verificada
Serviço de excelência
Rosa Pelizari
Rosa Pelizari
1. Junho, 2022.
Verificada
Realizei alguns exames com a Brasil e fui muito bem atendida. Os profissionais são pontuais, educados e qualificados. Obrigado pelo ótimo atendimento.
Izabel Martins Campos
Izabel Martins Campos
23. Maio, 2022.
Verificada
Valmir Mendes
Valmir Mendes
5. Maio, 2022.
Verificada
Maria Mendes
Maria Mendes
5. Maio, 2022.
Verificada
Rosimeire Ribeiro
Rosimeire Ribeiro
5. Maio, 2022.
Verificada

WhatsApp

Remoção médica são exigidas em casos graves de dependência química

Antes de chegar a essa situação, quando os familiares percebem que um integrante está consumindo drogas e se tornando dependente químico, é necessário buscar orientação profissional, com a consequente intervenção através das remoção médica para tratamento do dependente.

A dependência se desenvolve conforme a droga utilizada. Assim, por exemplo, o crack é mais perigoso do que a cocaína que, por sua vez, é mais perigosa do que a maconha. O usuário também vai desenvolver a dependência química em consequência de problemas mentais e da existência de coo-morbidades e, assim, o tratamento deve ser feito de acordo com suas condições físicas e mentais.

O tratamento deve manter o foco na desintoxicação e na eliminação do consumo de substâncias psicoativas, além de procurar fazer com que o usuário se conscientize de sua própria situação, criando condições para que ele próprio possa controlar a vontade de consumir drogas.

A dependência química pode atingir indistintamente homens e mulheres e a remoção médica encaminha o paciente para tratamento podem ser utilizadas em qualquer um dos casos. O tratamento aplicado deve levar em consideração as necessidades de cada paciente, para que ele possa encontrar o caminho da reabilitação.

A individualização do tratamento é aplicada em razão de homens e mulheres apresentarem comportamentos diferentes, além respostas fisiológicas particulares. De uma forma geral, o que se percebe é que as mulheres começam a fazer uso de drogas com seus parceiros, enquanto que, no caso do público masculino, a iniciação é através dos amigos.

A dependência não é um problema específico das drogas

É importante entender que a dependência não ocorre apenas com drogas ilícitas. O álcool, por exemplo, é um produto que gera dependência, muitas vezes exigindo o mesmo procedimento de remoção médica para tratamento.

As causas podem ser as mais diversas, mas o caminho é o mesmo para todos. Assim, por exemplo, uma pessoa pode se tornar dependente de álcool a partir de determinados problemas pessoais ou financeiros, enquanto que a dependência de outras substâncias pode ser criada a partir de problemas emocionais, pressões da sociedade ou ainda problemas de saúde.

Em sua maior parte, os dependentes esperam que o tratamento não cure apenas a dependência, mas sim que possam trazer uma solução efetiva para seus problemas emocionais e suas dificuldades em viver em sociedade.

Todas essas questões e cuidados fazem parte do cotidiano de uma equipe de remoção médica, tendo cada profissional a necessidade de entender o que deve ser feito em cada resgate. Um dependente químico é totalmente diferente do outro, mesmo apresentando sintomas idênticos e, portanto, devem ser tratados de forma individual.

remoção medica

Depois da remoção médica, um tratamento individualizado

Em razão dessa constatação, o tratamento dependente químico, tenha sido através de remoção médica ou de internação involuntária, deve ser individualizado, com terapias apropriadas para cada caso.

É certo, porém, que, em todo tratamento, existe um ponto básico em comum: o dependente terá de passar por situações difíceis, devendo vencer a síndrome da abstinência e superando seus próprios problemas, que o conduzem ao consumo de drogas.

Por isso, para que o tratamento possa surtir os efeitos desejados, é de extrema importância que os familiares tomem a atitude de encaminhar o usuário para tratamento, mesmo contra a sua vontade, situação que vai exigir o trabalho de uma equipe de remoções médicas.

Na maior parte dos casos de tratamento dependência química, os familiares também são conduzidos a uma terapia. Essa terapia é importante para entender os motivos que levaram o usuário a se tornar dependente, podendo, assim, colaborar com sua reabilitação.

O procedimento de remoção médica para dependente químico é o primeiro passo nesse longo caminho, principalmente ao entender que se trata de uma doença crônica, que pode, a qualquer momento, conduzir o dependente a uma recaída.

remoção medica

WhatsApp

Dependência química: um problema de saúde pública

Nos últimos anos, o consumo de drogas vem se alastrando cada vez mais, tornando-se um problema de saúde pública, afetando não apenas os usuários, mas a sociedade como um todo.

Seja por envolvimento direto ou indireto, seja através de um familiar ou de um amigo, de um vizinho ou companheiro de trabalho, nenhuma pessoa está livre dos efeitos das drogas. Entender esse contexto e saber que providências são necessárias é importante para ajudar a combater o problema.

Para o dependente químico, a remoção médica é o primeiro contato com o tratamento de reabilitação. Como se trata de uma condição que apresenta graus de riscos variados, tanto para o dependente quanto para os profissionais, é importante que o resgate seja feito por uma empresa com experiência e conhecimento no assunto.

Os profissionais devem utilizar métodos adequados de abordagem do dependente químico, evitando ao máximo provocar qualquer sensação de insegurança para que ele entenda que está sendo levado para o seu próprio bem, facilitando o tratamento de reabilitação.

O resgate de um dependente químico deve ter o compromisso de manter sua integridade física e mental, seu bem-estar durante a remoção, deixando o mesmo com a tranquilidade necessária para que entenda o que está sendo aplicado e, com o tratamento, a conscientização dessa medida extrema.

A remoção médica são normalmente conhecidas como resgate que, no caso de dependentes químicos, possuem um significado mais profundo, já que se trata de salvar uma vida, fazendo com que o usuário tenha o tratamento mais propício para retornar ao seio familiar.

Para que o dependente seja transportado para a clínica de recuperação é necessário, dessa forma, evitar todo e qualquer possível trauma para o paciente. A abordagem deve ser feita de uma forma tranquila e responsável, com a máxima cautela para que o paciente entenda que está sendo bem cuidado e que nada será feito contra ele.

A partir desse momento, é também importante que os familiares se mantenham conscientes e firmes em sua resolução, sabendo que tomaram a atitude mais correta. O momento das remoções médicas exige que os familiares não se envolvam emocionalmente, entendendo que o procedimento está sendo aplicado para o bem do dependente químico.

Remoção médica para a internação involuntária

remoção medica

No caso de internação involuntária, a remoção médica são uma necessidade básica. A internação involuntária é feita sem que o dependente dê o seu consentimento, sendo, geralmente, feita por familiares.

É um procedimento aplicado quando o dependente químico não possui mais condições de decidir sobre sua vida, havendo a necessidade de intervenção de terceiros para que ele possa se recuperar.

O consumo compulsivo de substâncias psicoativas leva o dependente químico a perder a razão, isolando-se da família e da sociedade. A dependência química se torna maior com o tempo e, assim, o poder de decisão do usuário se torna comprometido, levando-o a adotar posturas agressivas, cometendo atos ilícitos, tornando-se, aos poucos, uma ameaça para si próprio e para as pessoas com as quais convive.

Nessas condições, o dependente químico vai precisar dos serviços de remoção médica em Curitiba, já que não terá como tomar a decisão de procurar um tratamento e, ainda por que, a condição em que se encontra lhe é favorável no momento.

As remoções médicas e a internação involuntária não significam que o dependente irá se recuperar, mas são os primeiros passos para que ele possa receber o tratamento, evitando que possa correr riscos mais graves, que enfrente os perigos das ruas e se comprometa ainda mais com a própria dependência.

Para os familiares, é sempre uma decisão bastante difícil, embora necessária, oferecendo ao usuário condições de implementar mudanças em seu comportamento e procurando fazer com que entenda a necessidade de um estilo de vida saudável.

Prevendo essa necessidade, a própria legislação estabelece regras para a remoção médica e a internação involuntária ou compulsória. Os estabelecimentos responsáveis pelo tratamento de recuperação de um dependente químico são obrigados a manter seus registros atualizados junto aos órgãos de saúde, oferecendo, dessa forma, maior segurança aos familiares, evitando complicações futuras e mantendo o paciente em segurança.

O procedimento de remoção médica, dessa forma, também é normalizado pela legislação, oferecendo as mesmas condições de segurança oferecidas por uma clínica de reabilitação, entendendo que o resgate é o primeiro contato do paciente com o tratamento que irá receber. A partir do primeiro contato com os profissionais responsáveis pelo resgate, considera-se que o dependente já está em tratamento e, por isso, a abordagem sempre é feita com esse objetivo.

O trabalho de resgate é aplicado dependendo de cada dependente químico. Quando ele próprio procura tratamento para a dependência, poderá se encaminhar diretamente à clínica onde irá ser tratado ou poderá solicitar os serviços de remoções médicas sem identificação, se não tiver condições de se locomover.

Nesse caso, o resgate é feito de uma forma discreta, mantendo o sigilo e garantindo a segurança durante o transporte.

Estamos online para te ajudar! Fale com nosso especialista:

Veja nossas avaliações

Diana Vilarinho
Diana Vilarinho
18. Julho, 2022.
Verificada
Excelente, prestativos, atenciosos , tratamento muito bom. Nota 10. Utilizei o serviço de remoção para consulta. Muito bom.
Maria L Diniz
Maria L Diniz
16. Julho, 2022.
Verificada
Um excelente atendimento! 🙏💜
Daiane Rosolen
Daiane Rosolen
8. Julho, 2022.
Verificada
Atendimento top! Sr. Gilson muito prestativo e super atencioso no atendimento telefônico. Eu agradeço pela gentileza. Coisa rara hoje em dia.
Carolina Luhm Crivellaro
Carolina Luhm Crivellaro
4. Julho, 2022.
Verificada
Excelente atendimento pela equipe.
Ozana Storck
Ozana Storck
21. Junho, 2022.
Verificada
Serviço de excelência
Rosa Pelizari
Rosa Pelizari
1. Junho, 2022.
Verificada
Realizei alguns exames com a Brasil e fui muito bem atendida. Os profissionais são pontuais, educados e qualificados. Obrigado pelo ótimo atendimento.
Izabel Martins Campos
Izabel Martins Campos
23. Maio, 2022.
Verificada
Valmir Mendes
Valmir Mendes
5. Maio, 2022.
Verificada
Maria Mendes
Maria Mendes
5. Maio, 2022.
Verificada
Rosimeire Ribeiro
Rosimeire Ribeiro
5. Maio, 2022.
Verificada

WhatsApp

Havendo necessidade de internação involuntária ou internação compulsória, o resgate segue basicamente os mesmos procedimentos, embora, nesse caso, seja preciso que os profissionais abordem o paciente, utilizando técnicas apropriadas para cada caso.

Enquanto na internação voluntária é exigida apenas a presença de um enfermeiro e de um motorista, no caso de internação involuntária ou compulsória pode ser necessária a presença de um profissional médico devidamente habilitado se caso for necessário..

Contudo, a remoção médica sempre são feitas da maneira mais calma possível. Os profissionais apenas precisam de todas as informações possíveis sobre o paciente, como, por exemplo, se é uma pessoa agressiva, se faz uso de armas ou se possui envolvimento direto com o tráfico, a frequência com que utiliza drogas, os tipos de drogas que consome.

Além disso, a equipe precisa saber sobre as condições físicas do paciente, se apresenta qualquer tipo de complicação ou se está debilitado, se faz uso de medicamentos ou se já passou por outros tratamentos anteriores.

Com todas as informações, a equipe de remoção médica poderá estabelecer a melhor estratégia para a abordagem do paciente, o que vai fazer com que o resgate seja um procedimento amigável e pacífico, permitindo conduzir o paciente à clínica onde irá receber o tratamento e passando por essa fase sem qualquer trauma.

Quando o dependente químico é uma pessoa agressiva, por exemplo, a abordagem é feita em trajes civis, sem uniformes de trabalho. Essa estratégia evita que o dependente possa ter qualquer reação que prejudique seu resgate e sua remoção para a clínica de reabilitação.

Em quaisquer situações, a equipe de remoção médica procura agir da forma mais discreta possível, evitando que pessoas estranhas possam interferir, tendo a consciência de que estão exercendo uma atividade extremamente necessária.

A condução e resgate dependente químico para uma clínica de reabilitação vai oferecer um tratamento mais adequado do que em qualquer hospital psiquiátrico, submetendo-o a um tratamento personalizado, de acordo com suas necessidades.

WhatsApp

Saiba mais:

Gostou desse artigo? 

Últimas Notícias
Categorias
ambulância qual valor

Ambulância qual valor?

Curitiba, 05 de agosto de 2022, escrito por Gilson Rodrigues. Com certeza você concorda com a afirmação de que os serviços de ambulância são vitais

Leia mais »